Zé Manoel recebe homenagem do Vereador Gilmar Santos pela indicação do álbum ‘Do Meu Coração Nu’ ao Grammy Latino

De forma intensa, mas também sutil, o disco tem identidade e contempla as lutas das populações negras, indígenas e mulheres, além de tocar em questões identitárias e regionais

Eleito um dos melhores trabalhos da atual música popular brasileira, o álbum ‘Do Meu Coração Nu”, do petrolinense Zé Manoel, que está na corrida pelo Grammy Latino 2021, na categoria de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira, recebeu na manhã desta terça-feira (26), uma homenagem na Câmara Municipal de Petrolina. Aprovada por unanimidade, a Moção de Aplausos foi apresentada pelo Vereador Gilmar Santos-PT.

Ao tratar de assuntos como racismo e violência o álbum, composto por 11 músicas autorais, escancara as emoções que atravessam o povo negro, e conta com participação de diversos artistas, como o Grupo Bongar, Luedji Luna, Bell Puã e Beatriz Nascimento.

“Do Meu Coração Nu”, terceiro álbum de Zé Manoel, traz melodias, harmonias, letras e arranjos, de muita qualidade, remetendo a clássicos de  Tom Jobim, Johnny Alf, Francis Hime, Edu Lobo, Egberto Gismonti, Ivan Lins, que usam o piano como base para compor, e dialogam com outros instrumentos.

De forma intensa, mas também sutil, o disco tem identidade e contempla as lutas das populações negras, indígenas e mulheres, além de tocar em questões identitárias e regionais. Na opinião da crítica, é um trabalho “engajado, libertador e tem personalidade”. Confira a biografia do homenageado.

Trajetória de Zé Manoel

José Manoel de Carvalho Neto, ou simplesmente Zé Manoel, filho de Petrolina, é compositor, cantor e pianista pernambucano. Em 2015, se destacou, ao lançar o elogiado disco Canção e Silêncio, com, produção musical de Carlos Eduardo Miranda. É atualmente considerado uma das grandes revelações da música pernambucana e brasileira.

Aos 13 anos, foi recebido com surpresa pelos jurados do concurso para escolha do hino do centenário de Petrolina, presidido pelo também petrolinense Geraldo Azevedo, oportunidade em que chegou até a final, ao lado de veteranos como a compositora e cantora Mônica Sangalo e Maurício Dias Mauriçola, ambos de Juazeiro-BA.

Por volta dos 18 anos, iniciou suas atividades profissionais fazendo piano bar. Em seguida integrou o grupo Chaleira Blues (com a cantora Camila Yasmine e o violonista e compositor Eugênio Cruz), onde iniciou as suas pesquisas sobre a música brasileira, especialmente a que foi produzida na década de 70. Integrou como acordeonista, a banda Matingueiros, excursionando por cidades como Salvador – BA [Espaço Cultural Xisto Bahia], Picos – PI [Festival Internacional da Pedra Furada], Lençóis – BA [Festival de Inverno de Lençóis], São Gabriel – BA [Cantoria de São Gabriel], dentre outras cidades. Acompanhou diversos artistas locais, além de participar da banda dos musicais Pocket Shows do diretor de teatro Cássio Lucena.

Em 2004, participou pela primeira vez do Festival Edésio Santos da Canção em Juazeiro-BA, onde foi premiado com a segunda colocação. Nesse mesmo festival, voltou a ser premiado com o terceiro lugar por 2 vezes e primeiro lugar por 4 vezes, nos anos posteriores. Passou por outros festivais nas cidades de Ponta Grossa-PR (1º lugar em 2010), Angra dos Reis-RJ, Ilha Solteira, Ribeirão Preto e Tatuí no estado de São Paulo, Petrolina-PE (1º lugar em 2006 e 2007 e 2º lugar em 2008).

Em 2005, escreveu e acompanhou ao piano a música tema do evento ‘Um Mundo para a Criança e o Adolescente do Semiárido’, da UNICEF, cantado por um coral de 120 crianças num evento realizado na Ilha do Fogo, entre os estados de Pernambuco e Bahia, com a presença de representantes políticos, de comunidades e o embaixador da UNICEF no Brasil Renato Aragão, a fim de discutir projetos voltados para as crianças e adolescentes que vivem em situações de risco no semiárido brasileiro.

Em 2007, Zé Manoel mudou-se para a capital pernambucana, onde deu início aos seus estudos acadêmicos na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no curso de Música – Licenciatura. Em 2009, gravou o seu primeiro EP, onde toca e canta composições próprias, com produção musical do também petrolinense radicado em Recife, Albérico Júnior. Este trabalho lhe rendeu participações no projeto Observa e Toca Malakoff, no Festival RecBeat, ambos em Recife, no Festival de Inverno de Garanhuns-PE e no festival Pré-Amp, que tem como premiação a gravação de um CD. A partir daí várias portas se abriram para a carreira do pianista fora do estado e do Brasil. Duas de suas canções compuseram a trilha sonora da série televisiva Louco por Elas, do diretor pernambucano João Falcão e lançou o Livro – CD infantil ‘O Inventor do Sorriso’, com o escritor Pernambucano Walther Moreira Santos, pela editora Melhoramentos.

Exposição “Carina, isso não é coisa de mulher” recebe moção de aplausos do Mandato Coletivo

A moção foi apresentada em reconhecimento ao trabalho de Carina Lacerda e pelo fortalecimento da participação de mais mulheres na produção e apresentação de seus trabalhos artísticos.

Exposição ‘Carina, isso não é coisa de mulher’/Acervo Pessoal

Em cartaz no Sesc Petrolina entre junho e agosto deste ano, a exposição “Carina, isso não é coisa de mulher”, da escultora, artista plástica e visual, Carina Lacerda foi agraciada com uma moção de aplausos da Câmara Municipal de Petrolina-PE. O reconhecimento, apresentado pelo Vereador Gilmar Santos-PT, foi aprovado por toda a Casa na sessão plenária desta quinta-feira (19).

Natural de Araripina-PE, Carina Lacerda, tem uma trajetória marcada pelo enfrentamento ao machismo no processo de aprendizagem do ofício de esculpir carrancas, atividade considerada tipicamente masculina.

Suas obras de artes em madeira tem o elemento feminino como uma das principais características e exemplifica a resistência e a trajetória que a levaram a ser conhecida como a artista popular das Carrancas de Peito. A ancestralidade sertaneja é outro elemento destacado nas obras. Além disso, por meio de seus trabalhos artísticos, Carina traz importantes temas políticos para o centro da discussão.

A exposição “Carina, isso não é coisa de mulher” teve sua abertura virtual realizada em 11 de junho de 2021, pelo canal do Sesc Pernambuco, no Youtube, e contou com visitas virtuais em 360°, para contemplar quem não pode se deslocar até a Galeria Ana das Carrancas, no SESC Petrolina, tendo em vista a necessidade da garantia do distanciamento social em decorrência da pandemia de Covid-19.

A moção foi apresentada em reconhecimento ao trabalho de Carina Lacerda e pelo fortalecimento da participação de mais mulheres na produção e apresentação de seus trabalhos artísticos.

***
Com informações de SESC-PE

Gilmar Santos (PT) apresenta moção de aplausos ao professor João Trapiá Filho pelos relevantes serviços prestados à educação em Petrolina

Diante de um cenário que assistimos, com tantos ataques à Educação, encontrar pessoas como João Trapiá, que dedica sua vida a levar para seus alunos e todos aqueles que o cercam o amor pelos livros e pela leitura, nos traz alento e esperança em um futuro mais bonito para nossa cidade e para o Brasil. É fundamental reconhecer e defender que práticas e projeto como os de João Trapiá sejam desenvolvidas em cada canto do país”, explica o parlamentar.

João Trapiá | Arquivo pessoal

Na manhã desta quinta-feira (05) o vereador Gilmar Santos apresentou na Câmara Municipal de Petrolina uma moção de aplausos ao professor João de Sá Araújo Trapiá Filho, em razão de sua trajetória dedicada à realização de projetos de incentivo à leitura e escrita desenvolvidos no município.

Nascido em Salgueiro-PE, no ano de 1993, Trapiá é Graduado em Letras-Português/Inglês, Especialista em Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa e aluno especial do Mestrado da UFPB, tendo como objeto de pesquisa a Escrita Criativa e o Letramento Literário no Ensino Fundamental II, com rodízios de livros e de textos que têm uma relação temática com o nível das turmas. O professor escolheu Petrolina para ser sua morada em 2007, e atualmente trabalha na Escola Municipal Professora Eliete Araújo e no Colégio Ester Martins.

Em novembro de 2019, dentre as mais diversas atividades desenvolvidas por Trapiá no município, ele, juntamente Cátia Cardoso, professora da escola Santo Antônio (situada na Ilha do Massangano), desenvolveram o encontro dos alunos dela com os dele, do Colégio Ester Martins, para que os discentes falassem sobre as suas experiências literárias às margens do São Francisco, momento que proporcionou a todos os envolvidos uma reflexão sobre a pluralidade de culturas que existem na região ribeirinha.

Em 2016, o professor lançou, pela Editora e Gráfica Franciscana, o livro poético As palavras que não couberam em mim. Em 2018, organizou o Livro das Fábulas, pela Editora Vecchio, que foi fruto das oficinas ministradas para os alunos que na época cursavam o sexto ano do ensino Fundamental. Em 2019, organizou dois livros, Era uma vez e Eu te conto, ambos lançados também pela Editora Vecchio, que assim como O livro das fábulas, é fruto do mesmo projeto de leitura. Já este ano (2020), Trapiá publicou uma poesia no livro Versos em Pandemia: retalhos de um tempo, pela Editora Vecchio.

“Diante de um cenário que assistimos, com tantos ataques à Educação, encontrar pessoas como João Trapiá, que dedica sua vida a levar para seus alunos e todos aqueles que o cercam o amor pelos livros e pela leitura, nos traz alento e esperança em um futuro mais bonito para nossa cidade e para o Brasil.É fundamental reconhecer e defender que práticas e projeto como os de João Trapiá sejam desenvolvidas em cada canto do país”, afirma Gilmar, autor da homenagem.

Mandato Coletivo do prof. Gilmar Santos (PT) apresenta moção de aplausos à Frente Negra do Velho Chico e à Associação das Mulheres Rendeiras

O reconhecimento é prestado às organizações pela atuação na luta antirracista em Petrolina e pela mobilização para aprovação do PL que regulamenta o Estatuto da Igualdade Racial e de Combate a intolerância Religiosa no município

Foto: Frente Negra do Velho Chico

O Mandato Coletivo, representado pelo vereador prof. Gilmar Santos (PT) apresentou na sessão ordinária desta terça-feira (25) uma Moção de Aplausos para a Frente Negra do Velho Chico e para a Associação das Mulheres Rendeiras, pela mobilização que as duas organizações, representando a população negra de Petrolina, desempenharam e vem desempenhando pela aprovação do Projeto de Lei que regulamenta o Estatuto da Igualdade Racial e de Combate a intolerância Religiosa no município.

Desde o ano de 1999 a Associação das Mulheres Rendeiras vem atuando no bairro José e Maria e nos bairros adjacentes para que mulheres possam conquistar a sua independência financeira. Estas mulheres começaram a se reunir embaixo de uma arvore, onde hoje estão mantendo firmes e fortes uma instituição dentro da comunidade que oferece diversos tipos de cursos para a comunidade de forma gratuita.

Ao longo destes mais de 20 anos, a Associação vem motivando jovens a participar de grupos de educação e cultura popular, e a contribuir com a construção de novos grupos comprometidos com os direitos humanos e as lutas antirracistas, como é o caso da Frente Negra do Velho Chico, organização que neste estado de calamidade causado pela Covid-19, vem desenvolvendo campanhas de arrecadação de alimentos para pessoas em situação de vulnerabilidade social do município, as quais, muitas vezes, nem o poder executivo nem o legislativo conseguem alcançar.

Comprometidas com a luta pela garantia de direitos das populações empobrecidas e conscientes das profundas desigualdades que afetam ao povo negro no município, as duas organizações participaram da construção do Projeto de Lei do Estatuto – que busca implementar políticas de promoção da igualdade racial e de combate à intolerância religiosa em Petrolina- e agora vem mobilizando e organizando mais pessoas para que o projeto seja aprovado na Câmara Municipal.

“A Associação das Mulheres Rendeiras e a Frente Negra do Velho Chico são grandes exemplos de movimentos das lutas antirracistas e de parceiros que o Mandato Coletivo busca para a construção de uma cidade com mais justiça social e igualdade de oportunidades. São movimentos, grupos, coletivos dessa qualidade que torna a atuação do vereador, de um mandato, legítimo para representar a nossa população. Ter a sociedade civil organizada construindo um projeto de lei, mobilizando as pessoas pela sua aprovação e depois exigindo o seu efetivo cumprimento, é tudo o que precisamos no parlamento municipal. O nosso mandato tem feito esse esforço. E nesse sentido, apesar do clima na Câmara, que procura inviabilizar a sua aprovação, esperamos que o Estatuto da Igualdade Racial e de Combate a Intolerância Religiosa cumpra bem essa três etapas. Portanto, parabéns e vida longa a Associação das Mulheres Rendeiras e à Frente Negra do Velho Chico!”, afirmou o vereador Gilmar, proponente do Projeto.

Gilmar Santos (PT) apresenta moção de aplausos ao Juiz e Promotores que atuaram em processo contra Agrovale

“Infelizmente a poluição proporcionada pela empresa AGROVALE acompanha gerações em Petrolina e região. Creio que todas as pessoas que moram nessa região já viu em casa ou em outro imóvel alguma fuligem da palha de cana de açúcar queimada por essa empresa. Se por um lado há geração de emprego e de muito lucro para os empresários, por outro há também um violento impacto sobre o meio ambiente e a saúde da nossa população”, disse o parlamentar.

Após a publicação da decisão liminar do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) que proíbe a AGROVALE, localizada no município de Juazeiro-BA, de realizar a queima da palha da cana de açúcar nos campos da empresa, e a obriga a pagar uma indenização de aproximadamente R$ 540 milhões para o município de Petrolina, o vereador Gilmar Santos (PT) apresentou moção de aplausos aos Promotores Rosane Moreira Cavalcanti, Ana Paula Carvalho e Carlan Carlo da Silva e ao Juiz de Direito Dr. Francisco Josafá Moreira, pela atuação no processo contra a agroindústria.

A população de Petrolina convive há décadas com as consequências da queima da palha da cana-de-açúcar que polui o município com a fuligem que é difundida pelo vento sobre imóveis nas zonas urbanas e rurais, chegando a adoecer e matar animais, e impactar sobre a saúde de da população. Tudo isso vem acontecendo sem que medidas rigorosas tenham sido adotadas.

Agora, diante do cenário da pandemia, a situação se agrava ainda mais, já que a COVID-19 impõe sérias complicações para o sistema respiratório.

Por diversas vezes o Ministério Público buscou conscientizar a empresa para que reduzisse os impactos que vinha causando ao meio ambiente, entretanto nenhuma delas surtiu efeito e a indústria continuou a desenvolver suas atividades de forma rotineira sem demonstrar nenhuma preocupação com os danos que vinha causando.

Para o vereador Gilmar Santos (PT), diante de toda essa situação, é imprescindível destacar a atuação dos promotores, que tiveram um papel fundamental para que depois de tantos anos a conduta criminosa da AGROVALE pudesse enfim, ser responsabilizada, e do Juiz que se colocou no lugar do povo de Petrolina, que há tantos anos sofre com o descaso da referida empresa, fazendo um julgamento justo.

“Infelizmente a poluição proporcionada pela empresa AGROVALE acompanha gerações em Petrolina e região. Creio que todas as pessoas que moram nessa região já viu em casa ou em outro imóvel alguma fuligem da palha de cana de açúcar queimada por essa empresa. Se de por um lado há geração de emprego e de muito lucro para os empresários, por outro há também um violento impacto sobre o meio ambiente e a saúde da nossa população. Não é esse o modelo de empresa e de produção que queremos. Essa moção de aplausos ao juiz Dr. Josafá, e aos promotores Dra. Rosane, Dra. Ana Cláudia e Dr. Carlan, não tenho dúvida de que todos os moradores de Petrolina gostariam de concedê-los”, afirmou o parlamentar.

Documentário Sobrado das Margens recebe homenagem da Casa Plínio Amorim

Produzido em 2019, o filme é um retrato compartilhado com vivências, memórias, questões culturais e sociais dos filhos e filhas do distrito de Santana do Sobrado, Município de Casa Nova-BA, primeira comunidade a ser tragada pelas águas do Rio São Francisco, após a construção da Barragem de Sobradinho.

Foto Robisnayara

Na última quinta-feira (05), o Vereador Professor Gilmar Santos apresentou uma moção de aplausos ao jornalista e documentarista, Danilo de Souza Santos, pela realização do Documentário “Sobrado das Margens – Entre águas e memórias”, recentemente lançado no YouTube. A moção foi aprovada por unanimidade pelos vereadores da Casa Plínio Amorim.

A implantação de barragens, tanto para a formação de reservatórios de água, como para produção de eletricidade, é marcada, em todo mundo, por impactos sociais e ambientais. Aqui na região, durante a década de 1970, mais de 72 mil, de cinco cidades diferentes, pessoas vivenciaram a dura realidade de ter que deixar para trás suas formas de vida, ligadas principalmente com o Rio São Francisco a partir da relação com a pesca e a agricultura.

Capa: Reprodução

Durante 58 minutos, a obra apresenta do ponto de vista das vítimas, a expulsão do seu habitat ancestral. São personagens e protagonistas de uma história marcada por injustiças, sofrimento, saudade e silenciamentos. As imagens são como um mergulho em um passado repleto de histórias e fatos compartilhados, na versão de quem viveu a dor de ser obrigado a deixar para trás suas origens, seu patrimônio e seus antepassados.

Ao trazer à tona as histórias de um lugar que foi submerso, para além de sistematicamente esquecido, o diretor afirma que buscou propiciar um momento de conhecimento aos espectadores no instante em que ouvirem as rememorações do passado. “O filme apresenta diversas imagens de arquivo, entre recortes de jornais, vídeos institucionais, fotografias de família e cartas, e isto juntamente com os relatos das vítimas, enriquece as narrativas e pode alcançar também os jovens, para que passem a ter uma referência de passado e uma perspectiva de pertencimento desse processo na sua trajetória de vida”, pontuou.

Foto: Reprodução (Lourdes Rodrigues – Entrevistada)

Danilo é um jovem comunicador, filho do distrito de Santana do Sobrado, município de Casa Nova-BA, que recentemente, através do Curso de Jornalismo em Multimeios, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), realizou uma pesquisa sobre os povos ribeirinhos, atingidos pela construção da Barragem de Sobradinho. Atualmente o jornalista integra a equipe de assessoria do Mandato Coletivo do Vereador Professor Gilmar Santos.

Segundo Gilmar Santos, “o documentário é uma extraordinária aula de história, contada pelos oprimidos”.

Para acessar o conteúdo, basta buscar os perfis @sobradodasmargens e @daniloszs, no Instagram, ou ainda através do link no YouTube.

Premiados no Festival Edésio Santos recebem Moção de Aplausos na Câmara de Petrolina

“Fizemos essa homenagem simbólica de reconhecimento para esses dois artistas premiados em Juazeiro. Mas queremos muito mais, queremos que os vereadores/as de Petrolina lutem por políticas públicas de incentivo à cultura. Queremos, por exemplo, que a gestão realize o Festival Geraldo Azevedo, que não é realizado há 10 anos”, ressaltou Gilmar, propositor da moção

Foto: Camila Rodrigues

Durante sessão ordinária desta quinta-feira (19), o vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou moção de aplausos à cantora petrolinense Alcina Gonçalves Dias e ao compositor paraibano Amauri Plácido, premiados em primeiro lugar na 22ª edição do Festival Edésio da Canção (FESC), com a canção “Ser Maria”, letra de Amauri Plácido e música de Alcina.

Há quase três décadas Alcina compartilha o seu talento em diversos espaços artísticos e sociais de Petrolina e região e, apesar da deficiência visual e auditiva, nunca se entregou às dificuldades, e tem na música uma fonte de inspiração para existir e resistir aos desafios cotidianos. Dona de uma voz potente e particular, a cantora tem encontrado ao longo da sua carreira diversos parceiros, entre os quais se destaca Rosalvo Antônio da Silva, de quem interpretou diversas canções.

No ano de 2017, numa demonstração de coragem e disposição para conquistar novos espaços de crescimento pessoal e profissional, Alcina prestou o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), foi aprovada e em 2018 ingressou o curso de Psicologia da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Foi lá onde conheceu o parceiro Amauri Plácido, natural de Santa Rita – PB – mas que há dois anos vive em Juazeiro-BA-  que mesmo já tendo escrito diversas canções, nunca havia dado publicidade às suas composições. Ao apresentar a letra da canção “Ser Maria” para Alcina, ela de pronto topou a proposta de musicá-la. Foi nessa ocasião que se inscreveram no Festival Edésio Santos da Canção.

Para surpresa e alegria desses, a primeira apresentação de Alcina levou o público à euforia. Com a votação do júri popular, somados aos pontos do júri oficial, Alcina e Amauri alcançaram o reconhecimento máximo no Festival.

Durante a apresentação da Moção, Gilmar mais uma vez parabenizou a dupla pela conquista e reforçou a importância da implementação e efetividade de políticas públicas de Cultura e de Inclusão no Município.

“Alcina é uma amiga de longas datas e de talento admirável. Apresentar essa homenagem a ela e ao Amauri é motivo de grande alegria, por sabermos da importância da arte, da cultura e do quanto o poder público precisa assumir efetivamente o compromisso de investir recursos para incentivo e democratização do trabalho dos nossos artistas, para garantir o direito à cultura ao nosso povo. O Festival Edésio Santos é uma prova concreta disso. Fizemos essa homenagem simbólica de reconhecimento para esses dois artistas premiados em Juazeiro. Mas queremos muito mais, queremos que os vereadores/as de Petrolina lutem por políticas públicas de incentivo à cultura. Queremos, por exemplo, que a gestão realize o Festival Geraldo Azevedo, que não é realizado há 10 anos”, disse Gilmar.

O Festival Edésio Santos é um evento de canções inéditas, de todos os gêneros e estilos musicais da Música Popular Brasileira que reúne artistas de todo o Brasil. Com o tema ‘Dois Violões’, numa homenagem aos músicos juazeirenses Neto (José Wyllis) e João Gilberto, a 22ª edição do FESC aconteceu entre os dias 12 e 14 desses mês, em Juazeiro-BA, onde acontece anualmente.

Vinte e quatro canções foram apresentadas no festival, mas apenas três foram premiadas. As três primeiras músicas colocadas, o melhor intérprete e o vencedor do Júri Popular receberam as seguintes premiações: 1º Lugar (R$ 10 mil), 2º lugar (R$ 8 mil), 3º lugar (R$ 6 mil); Melhor intérprete (R$ 3 mil) e prêmio de júri popular (R$ 2 mil). Todos recebem troféu.

Confira os ganhadores desta edição:

1º lugar – prêmio de R$ 10 mil – Ser Maria, de Amauri Plácido, de Petrolina, interpretado por Alcina Gonçalves, de Juazeiro

2º lugar – prêmio de R$ 8 mil – Gumbé, de Carlos Gomez, de Praia Grande (SP), interpretado por Jessica Stephens, de Manaus

3º lugar – prêmio de R$ 6 mil – Ainda há tempo, de Keréto, de Campo Formoso (BA), autor e intérprete

Melhor intérprete – R$ 3 mil – Jessica Stephens, de Manaus, pela canção Gumbé

Prêmio do Júri Popular – R$ 2 mil – Alcina Gonçalves, intérprete da música Ser Maria

Vereador Gilmar Santos (PT) apresenta moção de aplausos ao ator petrolinense José Lírio pela produção do monólogo “Cavalo”

O ator é o único representante nordestino a se apresentar na segunda etapa da 9ª edição do festival amazonense de teatro “Breves Cenas de Teatro”

Foto: Camila Rodrigues

Durante sessão ordinária desta quinta-feira (14), o vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou moção de aplausos ao ator petrolinense José Lírio Costa, em razão de ter sido o único representante nordestino a se apresentar na segunda etapa da 9ª edição do Breves Cenas de Teatro, Festival amazonense de Teatro, com seu monólogo “Cavalo”.

Este ano, o festival aconteceu com um novo formato e foi realizado em três capitais brasileiras. A proposta do evento é proporcionar um espaço de pesquisa, experimentação e difusão do pensamento na arte contemporânea, transformando conceitos e possibilitando um diálogo entre criação, processo e público. A primeira etapa do festival, nesse novo formato foi realizada em outubro, em Brasília. De um total de 154 inscrições, 46 foram selecionados, e dentre eles somente os projetos do ator José Lírio e de um grupo teatral pernambucano são do Nordeste. A próxima e última etapa do festival acontecerá entre os dias 6 e 15 de dezembro, no Rio de Janeiro.

Baseado no livro de Franz Kafka, ‘Carta ao Pai’, escrito em 1919, “Cavalo” é fruto de uma residência artística, realizada em janeiro deste ano pelo Sesc Petrolina, dentro do Projeto Experimenta Cena. O monólogo estreou em março e foi apresentado no Festival Aldeia do Velho Chico, no Sesc Petrolina, e na Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), onde o ator desenvolve sua pesquisa em Performance, no curso de Licenciatura em Artes visuais.

Lírio possui 18 anos de experiência nas artes cênicas e já se apresentou em diversas cidades do Interior e em capitais como São Paulo, Recife e Salvador. Iniciou suas atividades em 2001, na Cia Máscara de Teatro, passando por vários grupos da região. Encenou diversos autores nacionais e estrangeiros, como Nelson Rodrigues, João Falcão, Dias Gomes, Plinio Marcos entre outros. Há nove anos é membro do Núcleo de Teatro do Sesc. Foi premiado, na última edição do Festival Wellington Monteclaro, como melhor ator pelo espetáculo ‘3x Plínio’, que também recebeu os prêmios de melhor espetáculo e melhor direção.

Para Gilmar, “Fazer esse gesto de reconhecimento ao trabalho de um artista tão talentoso quanto é o Lírio, é o mínimo que uma Casa Legislativa deve fazer. Petrolina tem uma grande quantidade de artistas talentosos e com produções culturais de valor inestimável. Lírio é exemplo concreto dessa realidade. Porém, muito mais que oferecer aplausos aos nossos artistas, queremos também que os vereadores e a gestão municipal proporcionem políticas públicas de cultura para valorizar os seus trabalho, fortalecer e difundir arte para o nosso povo. Não podemos ter uma cidade tão rica economicamente e tão pobre de investimentos em políticas de cultura”.

Gilmar Santos (PT) apresenta Moção de Aplausos à professora Teresinha Lima pelo projeto “Viajando Com o Carrinho De Leitura: Da Escola Para Casa, De Casa Para a Escola”

“Com esse lindo e importante projeto de incentivo à leitura a professora Teresinha nos dá prova concreta de que é possível desenvolver boas ideias para que os nossos estudantes leiam mais e se capacitem para transformar o mundo e a sociedade”, disse o parlamentar.

O vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou na última terça, 15 de outubro, uma Moção de Aplausos à Teresinha de Deus Lima, professora da Escola de Referência de Ensino Médio Gercino Coelho, pelo projeto “Viajando com o carrinho de leitura: da escola para casa, de casa para a escola”, que está sendo oferecido aos estudantes dos 1º, 2 e 3º anos do EREMGC no ano letivo em curso.

O Projeto que foi iniciado no ano de 2011, na Escola Antônio Cassimiro e permanece ativo na EREM Gercino Coelho desde o ano de 2015, passou por um processo de aperfeiçoamento para que possa ser vivenciado em toda a Escola como Projeto de Leitura da Biblioteca. O objetivo é estimular nos/as estudantes não apenas o gosto pela leitura, mas também o pensamento crítico, ampliando as competências básicas que lhe assegurem qualidade de vida produtiva, autonomia, bem como, capacidade de intervenção na sociedade.

Segundo Gilmar, “com esse lindo e importante projeto de incentivo à leitura a professora Teresinha nos dá prova concreta de que é possível desenvolver boas ideias para que os nossos estudantes leiam mais e se capacitem para transformar o mundo e a sociedade. É um projeto simples e potente que merece ser copiado por todo educador e educadora comprometidos com a leitura”.

“Com a compreensão de que não existe nada pronto e acabado, mas em processo de construção e aprimoramentos permanentes, assim, viaja O Carrinho da Leitura, de sala em sala, despertando sonhos e conduzindo leitores como protagonistas de muitas “viagens”, ressalta Teresinha.

Premiada em Recife, Cia Biruta recebe moção de aplausos do Mandato Coletivo

A companhia foi premiada pela peça Chico e Flor contra os monstros da ilha do fogo, no 1º Prêmio Roberto de França Pernalonga de Teatro

Na manhã desta quinta-feira (29), o vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou o requerimento Nº 263/2019 que solicita “MOÇÃO DE APLAUSOS” à Companhia Biruta de Teatro, pela premiação recebida no 1º Prêmio Roberto de França Pernalonga de Teatro, em Recife, com a peça Chico e Flor contra os monstros da ilha do fogo.

Premiada na categoria “Espetáculo para a Infância e Juventude”, a peça narra a história do barqueiro Chico que viaja pelo rio São Francisco à procura da sua família, e da corajosa Flor, sua companheira de aventuras. A peça apresenta a poética de vivência com o Rio e o seu entorno a partir das lendas ribeirinhas e de uma narrativa de aventura e superação que tem como pano de fundo a relação que o ser humano estabelece com a cultura e a natureza, fundamentada na criação de elementos fantásticos e mágicos como modos de explicação, elaboração e transformação de mundo.

No palco, a história ganha vida com as atuações de Juliene Moura e Antônio Veronaldo (que também assina o texto e a direção do espetáculo), e a criação cenográfica com Uriel Bezerra. A Iluminação tem concepção de Carlos Thiago e execução de Deborah Harummy, trilha sonora e sonoplastia de Moesio Belfort e Carlos Hyuri. A equipe técnica conta ainda com Camila Rodrigues, Letícia Rodrigues e Cristiane Crispim.

Desde a sua estreia, em maio de 2015, o espetáculo vem participando de festivais relevantes para a cena artística voltada para as crianças. Entre os principais eventos e premiações estão o 11º Festival Nacional de Teatro Infantil de Feira de Santana – Fenatifs (Bahia, 2018); a III Mostra Internacional de Teatro da Paraíba (Sousa, 2017); o 23º Festival Janeiro de Grandes Espetáculos (Festival Internacional de Artes Cênicas de Pernambuco, Recife – PE, 2017), no qual foi indicado a 7 prêmios e ganhou  3 (melhor trilha sonora, melhor iluminação e melhor atriz); o II Festival de Teatro Wellington Monteclaro (Juazeiro – BA, 2017), onde foi premiado na categoria de melhor atriz e escolhido o segundo melhor espetáculo.

“Compartilhamos da alegria por esse reconhecimento que os companheiros e companheiras da Cia Biruta conquistaram através dessa premiação. O espetáculo Chico e Flor é uma verdadeira aula sobre a importância de defendermos o Rio São Francisco e o nosso Ambiente de maneira geral. Não são apenas atores, produtores culturais, mas  pesquisadores que transformam informações sobre os desafios da nossa realidade social em arte. É necessário que o poder público municipal se faça mais presente com políticas públicas que efetivamente valorizem e democratizem produções dessa natureza. O Mandato Coletivo assume essa luta junto aos nossos artistas. Esperamos que a gestão municipal assuma da mesma forma. Parabéns à Cia Biruta e que venham novas conquistas”, disse Gilmar.

*O requerimento foi aprovado por 16 votos, com abstenção do vereador Gilberto Melo (PR).