Documentário Sobrado das Margens recebe homenagem da Casa Plínio Amorim

Produzido em 2019, o filme é um retrato compartilhado com vivências, memórias, questões culturais e sociais dos filhos e filhas do distrito de Santana do Sobrado, Município de Casa Nova-BA, primeira comunidade a ser tragada pelas águas do Rio São Francisco, após a construção da Barragem de Sobradinho.

Foto Robisnayara

Na última quinta-feira (05), o Vereador Professor Gilmar Santos apresentou uma moção de aplausos ao jornalista e documentarista, Danilo de Souza Santos, pela realização do Documentário “Sobrado das Margens – Entre águas e memórias”, recentemente lançado no YouTube. A moção foi aprovada por unanimidade pelos vereadores da Casa Plínio Amorim.

A implantação de barragens, tanto para a formação de reservatórios de água, como para produção de eletricidade, é marcada, em todo mundo, por impactos sociais e ambientais. Aqui na região, durante a década de 1970, mais de 72 mil, de cinco cidades diferentes, pessoas vivenciaram a dura realidade de ter que deixar para trás suas formas de vida, ligadas principalmente com o Rio São Francisco a partir da relação com a pesca e a agricultura.

Capa: Reprodução

Durante 58 minutos, a obra apresenta do ponto de vista das vítimas, a expulsão do seu habitat ancestral. São personagens e protagonistas de uma história marcada por injustiças, sofrimento, saudade e silenciamentos. As imagens são como um mergulho em um passado repleto de histórias e fatos compartilhados, na versão de quem viveu a dor de ser obrigado a deixar para trás suas origens, seu patrimônio e seus antepassados.

Ao trazer à tona as histórias de um lugar que foi submerso, para além de sistematicamente esquecido, o diretor afirma que buscou propiciar um momento de conhecimento aos espectadores no instante em que ouvirem as rememorações do passado. “O filme apresenta diversas imagens de arquivo, entre recortes de jornais, vídeos institucionais, fotografias de família e cartas, e isto juntamente com os relatos das vítimas, enriquece as narrativas e pode alcançar também os jovens, para que passem a ter uma referência de passado e uma perspectiva de pertencimento desse processo na sua trajetória de vida”, pontuou.

Foto: Reprodução (Lourdes Rodrigues – Entrevistada)

Danilo é um jovem comunicador, filho do distrito de Santana do Sobrado, município de Casa Nova-BA, que recentemente, através do Curso de Jornalismo em Multimeios, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), realizou uma pesquisa sobre os povos ribeirinhos, atingidos pela construção da Barragem de Sobradinho. Atualmente o jornalista integra a equipe de assessoria do Mandato Coletivo do Vereador Professor Gilmar Santos.

Segundo Gilmar Santos, “o documentário é uma extraordinária aula de história, contada pelos oprimidos”.

Para acessar o conteúdo, basta buscar os perfis @sobradodasmargens e @daniloszs, no Instagram, ou ainda através do link no YouTube.

Premiados no Festival Edésio Santos recebem Moção de Aplausos na Câmara de Petrolina

“Fizemos essa homenagem simbólica de reconhecimento para esses dois artistas premiados em Juazeiro. Mas queremos muito mais, queremos que os vereadores/as de Petrolina lutem por políticas públicas de incentivo à cultura. Queremos, por exemplo, que a gestão realize o Festival Geraldo Azevedo, que não é realizado há 10 anos”, ressaltou Gilmar, propositor da moção

Foto: Camila Rodrigues

Durante sessão ordinária desta quinta-feira (19), o vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou moção de aplausos à cantora petrolinense Alcina Gonçalves Dias e ao compositor paraibano Amauri Plácido, premiados em primeiro lugar na 22ª edição do Festival Edésio da Canção (FESC), com a canção “Ser Maria”, letra de Amauri Plácido e música de Alcina.

Há quase três décadas Alcina compartilha o seu talento em diversos espaços artísticos e sociais de Petrolina e região e, apesar da deficiência visual e auditiva, nunca se entregou às dificuldades, e tem na música uma fonte de inspiração para existir e resistir aos desafios cotidianos. Dona de uma voz potente e particular, a cantora tem encontrado ao longo da sua carreira diversos parceiros, entre os quais se destaca Rosalvo Antônio da Silva, de quem interpretou diversas canções.

No ano de 2017, numa demonstração de coragem e disposição para conquistar novos espaços de crescimento pessoal e profissional, Alcina prestou o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), foi aprovada e em 2018 ingressou o curso de Psicologia da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Foi lá onde conheceu o parceiro Amauri Plácido, natural de Santa Rita – PB – mas que há dois anos vive em Juazeiro-BA-  que mesmo já tendo escrito diversas canções, nunca havia dado publicidade às suas composições. Ao apresentar a letra da canção “Ser Maria” para Alcina, ela de pronto topou a proposta de musicá-la. Foi nessa ocasião que se inscreveram no Festival Edésio Santos da Canção.

Para surpresa e alegria desses, a primeira apresentação de Alcina levou o público à euforia. Com a votação do júri popular, somados aos pontos do júri oficial, Alcina e Amauri alcançaram o reconhecimento máximo no Festival.

Durante a apresentação da Moção, Gilmar mais uma vez parabenizou a dupla pela conquista e reforçou a importância da implementação e efetividade de políticas públicas de Cultura e de Inclusão no Município.

“Alcina é uma amiga de longas datas e de talento admirável. Apresentar essa homenagem a ela e ao Amauri é motivo de grande alegria, por sabermos da importância da arte, da cultura e do quanto o poder público precisa assumir efetivamente o compromisso de investir recursos para incentivo e democratização do trabalho dos nossos artistas, para garantir o direito à cultura ao nosso povo. O Festival Edésio Santos é uma prova concreta disso. Fizemos essa homenagem simbólica de reconhecimento para esses dois artistas premiados em Juazeiro. Mas queremos muito mais, queremos que os vereadores/as de Petrolina lutem por políticas públicas de incentivo à cultura. Queremos, por exemplo, que a gestão realize o Festival Geraldo Azevedo, que não é realizado há 10 anos”, disse Gilmar.

O Festival Edésio Santos é um evento de canções inéditas, de todos os gêneros e estilos musicais da Música Popular Brasileira que reúne artistas de todo o Brasil. Com o tema ‘Dois Violões’, numa homenagem aos músicos juazeirenses Neto (José Wyllis) e João Gilberto, a 22ª edição do FESC aconteceu entre os dias 12 e 14 desses mês, em Juazeiro-BA, onde acontece anualmente.

Vinte e quatro canções foram apresentadas no festival, mas apenas três foram premiadas. As três primeiras músicas colocadas, o melhor intérprete e o vencedor do Júri Popular receberam as seguintes premiações: 1º Lugar (R$ 10 mil), 2º lugar (R$ 8 mil), 3º lugar (R$ 6 mil); Melhor intérprete (R$ 3 mil) e prêmio de júri popular (R$ 2 mil). Todos recebem troféu.

Confira os ganhadores desta edição:

1º lugar – prêmio de R$ 10 mil – Ser Maria, de Amauri Plácido, de Petrolina, interpretado por Alcina Gonçalves, de Juazeiro

2º lugar – prêmio de R$ 8 mil – Gumbé, de Carlos Gomez, de Praia Grande (SP), interpretado por Jessica Stephens, de Manaus

3º lugar – prêmio de R$ 6 mil – Ainda há tempo, de Keréto, de Campo Formoso (BA), autor e intérprete

Melhor intérprete – R$ 3 mil – Jessica Stephens, de Manaus, pela canção Gumbé

Prêmio do Júri Popular – R$ 2 mil – Alcina Gonçalves, intérprete da música Ser Maria

Vereador Gilmar Santos (PT) apresenta moção de aplausos ao ator petrolinense José Lírio pela produção do monólogo “Cavalo”

O ator é o único representante nordestino a se apresentar na segunda etapa da 9ª edição do festival amazonense de teatro “Breves Cenas de Teatro”

Foto: Camila Rodrigues

Durante sessão ordinária desta quinta-feira (14), o vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou moção de aplausos ao ator petrolinense José Lírio Costa, em razão de ter sido o único representante nordestino a se apresentar na segunda etapa da 9ª edição do Breves Cenas de Teatro, Festival amazonense de Teatro, com seu monólogo “Cavalo”.

Este ano, o festival aconteceu com um novo formato e foi realizado em três capitais brasileiras. A proposta do evento é proporcionar um espaço de pesquisa, experimentação e difusão do pensamento na arte contemporânea, transformando conceitos e possibilitando um diálogo entre criação, processo e público. A primeira etapa do festival, nesse novo formato foi realizada em outubro, em Brasília. De um total de 154 inscrições, 46 foram selecionados, e dentre eles somente os projetos do ator José Lírio e de um grupo teatral pernambucano são do Nordeste. A próxima e última etapa do festival acontecerá entre os dias 6 e 15 de dezembro, no Rio de Janeiro.

Baseado no livro de Franz Kafka, ‘Carta ao Pai’, escrito em 1919, “Cavalo” é fruto de uma residência artística, realizada em janeiro deste ano pelo Sesc Petrolina, dentro do Projeto Experimenta Cena. O monólogo estreou em março e foi apresentado no Festival Aldeia do Velho Chico, no Sesc Petrolina, e na Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), onde o ator desenvolve sua pesquisa em Performance, no curso de Licenciatura em Artes visuais.

Lírio possui 18 anos de experiência nas artes cênicas e já se apresentou em diversas cidades do Interior e em capitais como São Paulo, Recife e Salvador. Iniciou suas atividades em 2001, na Cia Máscara de Teatro, passando por vários grupos da região. Encenou diversos autores nacionais e estrangeiros, como Nelson Rodrigues, João Falcão, Dias Gomes, Plinio Marcos entre outros. Há nove anos é membro do Núcleo de Teatro do Sesc. Foi premiado, na última edição do Festival Wellington Monteclaro, como melhor ator pelo espetáculo ‘3x Plínio’, que também recebeu os prêmios de melhor espetáculo e melhor direção.

Para Gilmar, “Fazer esse gesto de reconhecimento ao trabalho de um artista tão talentoso quanto é o Lírio, é o mínimo que uma Casa Legislativa deve fazer. Petrolina tem uma grande quantidade de artistas talentosos e com produções culturais de valor inestimável. Lírio é exemplo concreto dessa realidade. Porém, muito mais que oferecer aplausos aos nossos artistas, queremos também que os vereadores e a gestão municipal proporcionem políticas públicas de cultura para valorizar os seus trabalho, fortalecer e difundir arte para o nosso povo. Não podemos ter uma cidade tão rica economicamente e tão pobre de investimentos em políticas de cultura”.

Gilmar Santos (PT) apresenta Moção de Aplausos à professora Teresinha Lima pelo projeto “Viajando Com o Carrinho De Leitura: Da Escola Para Casa, De Casa Para a Escola”

“Com esse lindo e importante projeto de incentivo à leitura a professora Teresinha nos dá prova concreta de que é possível desenvolver boas ideias para que os nossos estudantes leiam mais e se capacitem para transformar o mundo e a sociedade”, disse o parlamentar.

O vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou na última terça, 15 de outubro, uma Moção de Aplausos à Teresinha de Deus Lima, professora da Escola de Referência de Ensino Médio Gercino Coelho, pelo projeto “Viajando com o carrinho de leitura: da escola para casa, de casa para a escola”, que está sendo oferecido aos estudantes dos 1º, 2 e 3º anos do EREMGC no ano letivo em curso.

O Projeto que foi iniciado no ano de 2011, na Escola Antônio Cassimiro e permanece ativo na EREM Gercino Coelho desde o ano de 2015, passou por um processo de aperfeiçoamento para que possa ser vivenciado em toda a Escola como Projeto de Leitura da Biblioteca. O objetivo é estimular nos/as estudantes não apenas o gosto pela leitura, mas também o pensamento crítico, ampliando as competências básicas que lhe assegurem qualidade de vida produtiva, autonomia, bem como, capacidade de intervenção na sociedade.

Segundo Gilmar, “com esse lindo e importante projeto de incentivo à leitura a professora Teresinha nos dá prova concreta de que é possível desenvolver boas ideias para que os nossos estudantes leiam mais e se capacitem para transformar o mundo e a sociedade. É um projeto simples e potente que merece ser copiado por todo educador e educadora comprometidos com a leitura”.

“Com a compreensão de que não existe nada pronto e acabado, mas em processo de construção e aprimoramentos permanentes, assim, viaja O Carrinho da Leitura, de sala em sala, despertando sonhos e conduzindo leitores como protagonistas de muitas “viagens”, ressalta Teresinha.

Premiada em Recife, Cia Biruta recebe moção de aplausos do Mandato Coletivo

A companhia foi premiada pela peça Chico e Flor contra os monstros da ilha do fogo, no 1º Prêmio Roberto de França Pernalonga de Teatro

Na manhã desta quinta-feira (29), o vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou o requerimento Nº 263/2019 que solicita “MOÇÃO DE APLAUSOS” à Companhia Biruta de Teatro, pela premiação recebida no 1º Prêmio Roberto de França Pernalonga de Teatro, em Recife, com a peça Chico e Flor contra os monstros da ilha do fogo.

Premiada na categoria “Espetáculo para a Infância e Juventude”, a peça narra a história do barqueiro Chico que viaja pelo rio São Francisco à procura da sua família, e da corajosa Flor, sua companheira de aventuras. A peça apresenta a poética de vivência com o Rio e o seu entorno a partir das lendas ribeirinhas e de uma narrativa de aventura e superação que tem como pano de fundo a relação que o ser humano estabelece com a cultura e a natureza, fundamentada na criação de elementos fantásticos e mágicos como modos de explicação, elaboração e transformação de mundo.

No palco, a história ganha vida com as atuações de Juliene Moura e Antônio Veronaldo (que também assina o texto e a direção do espetáculo), e a criação cenográfica com Uriel Bezerra. A Iluminação tem concepção de Carlos Thiago e execução de Deborah Harummy, trilha sonora e sonoplastia de Moesio Belfort e Carlos Hyuri. A equipe técnica conta ainda com Camila Rodrigues, Letícia Rodrigues e Cristiane Crispim.

Desde a sua estreia, em maio de 2015, o espetáculo vem participando de festivais relevantes para a cena artística voltada para as crianças. Entre os principais eventos e premiações estão o 11º Festival Nacional de Teatro Infantil de Feira de Santana – Fenatifs (Bahia, 2018); a III Mostra Internacional de Teatro da Paraíba (Sousa, 2017); o 23º Festival Janeiro de Grandes Espetáculos (Festival Internacional de Artes Cênicas de Pernambuco, Recife – PE, 2017), no qual foi indicado a 7 prêmios e ganhou  3 (melhor trilha sonora, melhor iluminação e melhor atriz); o II Festival de Teatro Wellington Monteclaro (Juazeiro – BA, 2017), onde foi premiado na categoria de melhor atriz e escolhido o segundo melhor espetáculo.

“Compartilhamos da alegria por esse reconhecimento que os companheiros e companheiras da Cia Biruta conquistaram através dessa premiação. O espetáculo Chico e Flor é uma verdadeira aula sobre a importância de defendermos o Rio São Francisco e o nosso Ambiente de maneira geral. Não são apenas atores, produtores culturais, mas  pesquisadores que transformam informações sobre os desafios da nossa realidade social em arte. É necessário que o poder público municipal se faça mais presente com políticas públicas que efetivamente valorizem e democratizem produções dessa natureza. O Mandato Coletivo assume essa luta junto aos nossos artistas. Esperamos que a gestão municipal assuma da mesma forma. Parabéns à Cia Biruta e que venham novas conquistas”, disse Gilmar.

*O requerimento foi aprovado por 16 votos, com abstenção do vereador Gilberto Melo (PR).

Vereador Gilmar Santos (PT) apresenta moção de aplausos ao cineasta Flávio Andrade e toda equipe pela produção do curta metragem “Nuvem Negra”

O curta, que ganhou o prêmio de Melhor Ficção no Festival de Cinema de Santa Tereza, no Espirito Santo, vem obtendo reconhecimento nacional e internacionalmente

Foto: Fernando Pereira

Durante sessão ordinária desta quinta-feira (08), o vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou moção de aplausos a Flávio Andrade e toda equipe envolvida na construção do curta-metragem Nuvem Negra, uma produção local que foi premiada no Festival de Cinema de Santa Teresa, na categoria Melhor Ficção.

“Essa moção é um gesto simbólico de reconhecimento ao premiado trabalho do cineasta Flávio Andrade, profissional de altíssimo nível e amigo admirável. Estendemos esse reconhecimento e aplausos à Natália Tavares, a toda a equipe envolvida na produção e atuação, e ao escritor Bruno Liberal por seu conto inspirador dessa obra cinematográfica” disse o parlamentar.

Flávio Andrade

Há uma década Flávio, natural de Fortaleza- CE, trabalha com audiovisual e atua na área de eventos, videoclipe, documentários e publicidade. Seu primeiro filme foi o curta-metragem Nuvem Negra (2018), onde assinou direção, roteiro – em parceria com Natália Tavares, trilha sonora e fotografia. O curta, que já foi exibido no 42º Guarnicê de Cinema, no Maranhão, na mostra-competitiva nacional e no 2º Fecsta – Festival de Cinema de Santa Tereza, no Espirito Santo – onde ganhou o prêmio de Melhor Ficção, vem obtendo reconhecimento nacional e internacionalmente.

Cenas de Nuvem Negra

O filme é inspirado no conto “O Instante da Nuvem Negra”, do escritor petrolinense Bruno Liberal (também premiado), e busca transmitir o sentimento de angústia e isolamento do personagem denominado como “O Velho”. A obra protagonizada pelo crítico cinematográfico e ator Jean-Claude Bernerdet, é uma produção contemplada pela Lei de Incentivo à Cultura, o Funcultura, na categoria Revelando Pernambucos. Em agosto, o filme será exibido no Festival de Cinema de Caruaru e também no Festival Aldeia do Velho Chico (dia 17), em Petrolina. Em outubro a exibição será no 14º Marbella Festival Cinema, na Espanha.

De acordo com o parlamentar, essas premiações que o filme do Flávio vem conseguindo é o resultado dos investimentos do governo do Estado de Pernambuco em políticas de cultura, “O que é muito bom! Queremos mais! Lamentamos que o mesmo não aconteça em Petrolina com a gestão municipal, mesmo após intensas e insistentes cobranças do nosso Mandato e da classe artística. Continuaremos a nossa luta porque temos compromissos com o seguimento de cultura e com a nossa população ainda tão carente de espetáculos e produções artísticas fomentadas com recursos públicos”, destacou Gilmar.

Para Flávio, “Essa homenagem proferida por Gilmar Santos só vem fortalecer o cenário local para impulsionar e incentivar a produção audiovisual no Vale do São Francisco, revelando novos talentos e expandindo para outros territórios a potencialidade cultura e artística da nossa região”, disse.

Além disso, o cineasta ressaltou a importância do cinema enquanto ferramenta política transformadora, e das políticas públicas na promoção dessa arte que além de fortalecer a cultura, fortalece também a economia.

“Cinema é uma arte que envolve muitas pessoas e que gera renda. É triste ver a realidade atual, onde o audiovisual vem sofrendo constantes golpes num momento tão prospero e vivido de produção como estamos vendo hoje. Nosso cinema está no melhor momento com forte impacto na economia, na cultura e na educação, e a Ancine tem extrema relevância nesse desenvolvimento, ajudando a captar recursos para diversas produções, gerando assim emprego e renda, movimentando, inclusive, o setor privado (…) O cinema é uma janela para observamos de perto nossos erros, fraquezas, desejos e tentarmos através da reflexão ser pessoas melhores, para um convívio melhor em sociedade. Por essa razão a importância das politicas publicas para a produção de conteúdo audiovisual, tanto na esfera federal como municipal, gerando assim debates, reflexões e transformações na comunidade em geral”, concluiu.

*O requerimento foi aprovado por unanimidade dos parlamentares presentes na sessão.

Vereador professor Gilmar Santos (PT) solicita moção de aplausos ao escritor Jota Menezes pela obra “Bela Vista” da trilogia “Borboletas Azuis”

“Na fazenda Bela Vista, na região do Vale do São Francisco, Emily Parker e Joaquim Themba conhecem as injustiças contra homens e mulheres escravizados na cidade Passagem de Juazeiro e acreditam ter uma missão sagrada de libertar os cativos”

Durante a sessão plenária desta sexta-feira (8), o vereador professor Gilmar Santos (PT) fez um requerimento à Mesa Diretora para que após cumpridas as formalidades regimentais e ouvido o Plenário, seja expedida uma moção de aplausos ao escritor Jota Menezes pela obra “Bela Vista” da trilogia “Borboletas Azuis”.

O livro conta a história de Emily Parker e Joaquim Themba, que vivem um amor de luta contra o poder opressor de Robert Parker. Na fazenda Bela Vista, na região do Vale do São Francisco, ambos conhecem as injustiças contra homens e mulheres escravizados na cidade Passagem de Juazeiro e acreditam ter uma missão sagrada de libertar os cativos- mesmo depois de Joaquim ter sido torturado, exilado e obrigado a lutar em uma guerra e Emily ter sido obrigada a ir para a Europa.

Segundo Gilmar, Jota Menezes tem se dedicado ao estudo das questões raciais na região do Vale do São Francisco, especialmente no que se refere ao povo da Ilha do Massangano e suas manifestações culturais e identitárias. Além disso, também tem sido extremamente importante na divulgação dos conhecimentos produzidos pedagogicamente por professores e pesquisadores do Vale do São Francisco com sua iniciativa de publicação na revista Contextos.

José Sebastião Menezes da Silva nasceu em Santa Maria da Boa Vista, estado de Pernambuco – Brasil em 1967. É Pós-Graduado em Ensino de Comunicação (UNEB/URGN) em 2005. Bacharel em Jornalismo (UNEB) em 2009 e Professor de História (Licenciatura) em 1989. Atuou na Rádio Emissora Rural de Petrolina (redator, produtor executivo, locutor noticiarista, cronista esportivo), 1990 a 1996. Prefeitura Municipal de Petrolina – PE, Supervisor de Redação na Assessoria de Comunicação Social (1993 – 1997), Diretor do Sindicato dos Radialistas de Pernambuco (1992), Produtor Executivo, Chefe de Reportagem e Chefe de Redação na TV São Francisco – Rede Bahia de Televisão – Afiliada da Rede Globo (1996 – 2007). Editor Executivo da Revista Vitrine (2008 – 2012), Editor e Jornalista Responsável da Revista Contexto (2010 – 2012), Professor Substituto na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) de Telejornalismo, Crítica da Mídia, Mídia e Cultura, Comunicação Comunitária, Movimentos Sociais e Temas Especiais (2009 – 2012).

 

 

Vereador Gilmar Santos Faz Moção de Aplauso ao Festival Edésio Santos da Canção e Lamenta a não Realização do Festival Geraldo Azevedo em Perolina

Segundo o vereador Gilmar Santos (PT), “atividades como essa oxigena a cena musical, haja vista que funciona como uma espécie de amplificador e difusor das produções dos nossos/as trabalhadores/as da arte, cria espaço de fomento, propicia que as nossas questões sejam cantadas”.

Na ultima sessão ordinária da terça-feira, 04/12, na Câmara de Vereadores de Petrolina, o vereador Gilmar Santos (PT) fez uma moção de aplauso para o Festival Edésio Santos da Canção, realizado por nossa cidade vizinha Juazeiro/BA. O referido evento tem se mostrado muito importante no fomento da produção musical nacional, haja vista que tem dado visibilidade a uma diversidade de artista que fazem da musica seu lugar de labor. Na sua 21º edição, o Edésio Santos já proporcionou premiações para diversos trabalhadores da música, inclusive petrolinenses.

Segundo o vereador Gilmar Santos (PT), “atividades como essa oxigena a cena musical, haja vista que funciona como uma espécie de amplificador e difusor das produções dos nossos/as trabalhadores/as da arte, cria espaço de fomento, propicia que as nossas questões sejam cantadas”.

O vereador ainda, ao fazer a referida moção de aplauso, também fez crítica ao governo municipal de Petrolina que pouco tem feito para o fortalecimento da arte em nosso município. Lembrou que a Secretaria de Cultura da cidade tem negligenciado o Festival Geraldo Azevedo da Canção, este que é estabelecido pela lei nº 1.872/06 junto ao Festival da Primavera.

“Não podemos admitir que os recursos da cultura não sejam utilizados em políticas de fomentos como são os festivais. Não podemos admitir que descumpram as nossas leis de cultura. É preciso brigar por mais investimentos na área da cultura, especialmente para o fortalecimento dos nossos artistas locais”, disse Santos.

Vereador Gilmar Santos (PT) apresenta moção de aplausos às quadrilhas juninas

Ainda contagiado pelas belíssimas apresentações das quadrilhas, na sessão desta terça-feira, 12/06, Santos apresentou uma moção de aplausos para as vencedoras do concurso.

No último sábado, 9 de junho, o vereador Gilmar Santos (PT) prestigiou o 47º Concurso de Quadrilhas Juninas de Petrolina, que aconteceu na ginásio esportivo do SESC, com realização da Secretaria de Cultura Municipal.

Nosso Mandato Coletivo esteve no concurso deste ano com ainda mais entusiasmo, haja vista que esse importante evento agora é lei em nosso Município, isso por meio da iniciativa do nosso mandato legislativo em diálogo com os/as quadrilheiros/as de Petrolina/PE. A lei nº 3.046 parte do entendimento na necessidade de proteger nossas manifestações populares de tal forma que nenhuma gestão municipal as negligenciem. A referida lei institui a obrigatoriedade da realização do evento.

Ainda contagiado pelas belíssimas apresentações das quadrilhas, na sessão desta terça-feira, 12/06, Santos apresentou uma moção de aplausos para as vencedoras do concurso. Este ano o grupo “Junina Buscapé” ficou em primeiro lugar, em segundo a quadrilha “Encanto Nordestino” e a junina “Danado de Bom” na terceira colocação.

 

O vereador, que é autor da lei 3.046, que institui o concurso de quadrilhas no calendário oficial de festas e eventos do Município de Petrolina ao reconhecer as belíssimas apresentações fez a seguinte cobrança “é preciso exigir que a gestão municipal faça o devido investimento para a valorização e preservação das nossas tradições e dos nossos artistas. Não podemos permitir que os nossos jovens fiquem em sinais de trânsito pedindo ajuda para as suas produções quando a gestão municipal faz um evento junino que paga até meio milhão para determinados artistas. Alguns grupos passam quase um ano dedicados a apresentar espetáculos emocionantes e de imenso valor cultural. Daí a importância da lei e da luta por direitos.

Ainda se faz importante ressaltar que esses grupos culturais nascem da expressão artística de nossas periferias que trabalham com muita dedicação e zelo para produzir verdadeiros espetáculos. Fazem isso mesmo com a escassez de recursos públicos para a Cultura.

Confira a lei:

Lei 3.046-2018 Concurso de quadrilhas (3)