“Netflix” das lutas sociais: plataforma reúne filmes independentes sobre resistências

A plataforma Bombozila, criada em 2016, disponibiliza uma série de vídeos sobre luta pela terra, direitos e mobilizações

Na categoria “Luta Pela Terra” estão produções brasileiras como “Terra e sangue” e “Margaridas, luta e pé na estrada” / Reprodução

Conhecida como “Netflix” das lutas sociais, a plataforma Bombozila reúne mais de 400 documentários independentes sobre mobilizações e reistências no Brasil, América Latina e em todo o mundo.

Criada em 2016, no Rio de Janeiro, por iniciativa da comunicadora chilena Sabina Alvarez e do cineasta brasileiro Victor Ribeiro, o site reúne produções audiovisuais independentes sobre diversos temas políticos, como luta pela terra, diáspora africana, luta indígena, entre outros.

Entre as produções brasileiras estão documentários como Terra e Sangue, sobre os bastidores do massacre em Pau D’Arco (Pará), quando dez trabalhadores rurais foram assassinados durante uma ação policial em 2017,  e Margaridas, luta e pé na estrada, sobre a articulação das mulheres rurais na Marcha das Margaridas.

Disponibilizado em três idiomas – português, espanhol e inglês –, o portal reúne também produções internacionais como Guerrero, produzido pelo cineasta francês Ludovic Bonleux, sobre o trabalho de três ativistas na zona rural do sudoeste do México e Chávez infinito, uma produção independente venezuelana sobre o líder bolivariano.

Segundo os organizadores do site, a proposta tem entre seus objetivos divulgar o trabalho de “documentaristas que atendem à urgência política dos nossos territórios em luta e resistência”.

O coletivo, composto atualmente por cinco integrantes, realiza também oficinas de formação audiovisual com o objetivo de democratizar o acesso à comunicação e fomentar a produção audiovisual popular.

Fonte: Brasil de Fato

Vereador Gilmar Santos (PT) apresenta moção de aplausos ao cineasta Flávio Andrade e toda equipe pela produção do curta metragem “Nuvem Negra”

O curta, que ganhou o prêmio de Melhor Ficção no Festival de Cinema de Santa Tereza, no Espirito Santo, vem obtendo reconhecimento nacional e internacionalmente

Foto: Fernando Pereira

Durante sessão ordinária desta quinta-feira (08), o vereador professor Gilmar Santos (PT) apresentou moção de aplausos a Flávio Andrade e toda equipe envolvida na construção do curta-metragem Nuvem Negra, uma produção local que foi premiada no Festival de Cinema de Santa Teresa, na categoria Melhor Ficção.

“Essa moção é um gesto simbólico de reconhecimento ao premiado trabalho do cineasta Flávio Andrade, profissional de altíssimo nível e amigo admirável. Estendemos esse reconhecimento e aplausos à Natália Tavares, a toda a equipe envolvida na produção e atuação, e ao escritor Bruno Liberal por seu conto inspirador dessa obra cinematográfica” disse o parlamentar.

Flávio Andrade

Há uma década Flávio, natural de Fortaleza- CE, trabalha com audiovisual e atua na área de eventos, videoclipe, documentários e publicidade. Seu primeiro filme foi o curta-metragem Nuvem Negra (2018), onde assinou direção, roteiro – em parceria com Natália Tavares, trilha sonora e fotografia. O curta, que já foi exibido no 42º Guarnicê de Cinema, no Maranhão, na mostra-competitiva nacional e no 2º Fecsta – Festival de Cinema de Santa Tereza, no Espirito Santo – onde ganhou o prêmio de Melhor Ficção, vem obtendo reconhecimento nacional e internacionalmente.

Cenas de Nuvem Negra

O filme é inspirado no conto “O Instante da Nuvem Negra”, do escritor petrolinense Bruno Liberal (também premiado), e busca transmitir o sentimento de angústia e isolamento do personagem denominado como “O Velho”. A obra protagonizada pelo crítico cinematográfico e ator Jean-Claude Bernerdet, é uma produção contemplada pela Lei de Incentivo à Cultura, o Funcultura, na categoria Revelando Pernambucos. Em agosto, o filme será exibido no Festival de Cinema de Caruaru e também no Festival Aldeia do Velho Chico (dia 17), em Petrolina. Em outubro a exibição será no 14º Marbella Festival Cinema, na Espanha.

De acordo com o parlamentar, essas premiações que o filme do Flávio vem conseguindo é o resultado dos investimentos do governo do Estado de Pernambuco em políticas de cultura, “O que é muito bom! Queremos mais! Lamentamos que o mesmo não aconteça em Petrolina com a gestão municipal, mesmo após intensas e insistentes cobranças do nosso Mandato e da classe artística. Continuaremos a nossa luta porque temos compromissos com o seguimento de cultura e com a nossa população ainda tão carente de espetáculos e produções artísticas fomentadas com recursos públicos”, destacou Gilmar.

Para Flávio, “Essa homenagem proferida por Gilmar Santos só vem fortalecer o cenário local para impulsionar e incentivar a produção audiovisual no Vale do São Francisco, revelando novos talentos e expandindo para outros territórios a potencialidade cultura e artística da nossa região”, disse.

Além disso, o cineasta ressaltou a importância do cinema enquanto ferramenta política transformadora, e das políticas públicas na promoção dessa arte que além de fortalecer a cultura, fortalece também a economia.

“Cinema é uma arte que envolve muitas pessoas e que gera renda. É triste ver a realidade atual, onde o audiovisual vem sofrendo constantes golpes num momento tão prospero e vivido de produção como estamos vendo hoje. Nosso cinema está no melhor momento com forte impacto na economia, na cultura e na educação, e a Ancine tem extrema relevância nesse desenvolvimento, ajudando a captar recursos para diversas produções, gerando assim emprego e renda, movimentando, inclusive, o setor privado (…) O cinema é uma janela para observamos de perto nossos erros, fraquezas, desejos e tentarmos através da reflexão ser pessoas melhores, para um convívio melhor em sociedade. Por essa razão a importância das politicas publicas para a produção de conteúdo audiovisual, tanto na esfera federal como municipal, gerando assim debates, reflexões e transformações na comunidade em geral”, concluiu.

*O requerimento foi aprovado por unanimidade dos parlamentares presentes na sessão.